Menu
Domingo, 19 de agosto de 2018
24º min
35º min

09/08/2018 às 16h36

Polícia diz que ‘Tribunal do PCC’ mandou matar por causa de foto em grupo de WhatsApp


Midiamax

Foto: Divulgação

Foi presa a dupla suspeita de matar Douglas Sarat de Moraes, de 18 anos, no dia 29 de julho, em Dourados. Douglas foi morto após postar uma foto em um grupo de WhatsApp fazendo apologia à facção rival CV (Comando Vermelho).

Luiz Henrique de Paula, de 20 anos, o ‘Abacaxi’, e Alison Borges de Brito, de 25 anos, o ‘Quati’, foram presos suspeitos pela morte. Um adolescente que participou da execução já foi apreendido e levado para a Unei (Unidade Educacional de Internação).

De acordo com o delegado Rodolfo Daltro, Douglas teria sido identificado pelo PCC (Primeiro Comando da Capital) ao postar uma foto em um grupo de WhatsApp fazendo apologia à facção rival. Mas, ele não seria ‘batizado’ na facção.

Segundo o site Dourados News, Douglas teria sido atraído por três pessoas até um barraco, onde foi torturado antes de ser morto com um tiro na cabeça. O corpo foi desovado em uma estrada na região sul de Dourados.

Antes de ser morto, Douglas foi obrigado a gravar um vídeo mandando uma mensagem ameaçando a facção CV. Nas imagens gravadas, Douglas diz ser simpatizante do CV e alega que ele e outros integrantes estavam armando uma emboscada para os integrantes do PCC, mas que não deu certo, “Todos têm de seguir o PCC, maior grupo do mundo. Todos do CV têm de sair vazado”.

Em outra parte do vídeo, Douglas diz: “PCC chegou em Dourados chegando, rasgando tudo”. O corpo do rapaz foi encontrado às margens de uma estrada vicinal, com um tiro na cabeça que transfixou o rosto. Ele estava com as mãos e pés amarrados, com uma corda de náilon.

 



<